mata de cocais

Mata de cocais

foto_carnauba.jpg
Carnaúba: árvore típica da Mata dos Cocais

(Redirecionado de Mata dos Cocais)

Ir para: navegação, pesquisa

A Mata dos cocais está situada entre a Amazônia e a caatinga nos estados do Maranhão, Piauí, Ceará e norte do Tocantins, existem florestas dominadas pelas palmeiras babaçu e carnaúba, além do buriti e da oiticica, a Mata dos Cocais.

São florestas secundárias, isto é, cresceram após o desmatamento das plantas originais.

O babaçu domina o ambiente e está sendo destruído em ritmo intenso pelas pastagens, mas pode sobreviver pela velocidade com que se reproduz e pelos produtos que são extraídos dele (cera, óleo, fibras, glicerina etc.), de alto valor para a sobrevivência da população local.

No lado oeste, onde a proximidade com o clima equatorial da Amazônia a torna mais úmida, é predominante a presença do babaçu, palmeiras que atingem 15 a 20m de altura, de onde é extraído um óleo utilizado pela indústria de alimentos e cosméticos. No lado leste, mais seco, predomina a carnaúba, que pode atingir até 20m de altura, cujas folhas retira-se a cera empregada como lubrificante na indústria eletrônica, de perfumaria, e na fabricação de plásticos e adesivos. Embora aproveitada, em parte, de maneira ordenada por várias comunidades extrativistas que exercem suas atividades sem prejudicar essa formação vegetal, a Mata de Cocais também é seriamente ameaçada pela ampliação das áreas de pasto para a pecuária, principalmente no Maranhão e no norte do Tocantins. Essa área ocupa menos de 3% da área total do Brasil.

Obtido em “http://pt.wikipedia.org/wiki/Mata_de_cocais

destruiçao da natureza Desflorestação

Desflorestação

Ir para: navegação, pesquisa

   

Wikificação

Este artigo precisa ser wikificado.
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.

Imagem de áreas desmatadas em Ariquemes, Rondônia.

Imagem de áreas desmatadas em Ariquemes, Rondônia.

Desmatamento na Bolöia (área no canto superior esquerdo da imagem, ao longo de uma estrada)

Desmatamento na Bolívia (área no canto superior esquerdo da imagem, ao longo de uma estrada)

Desmatamento é o processo de desaparecimento de florestas e bosques, basicamente causado pela atividade humana, e principalmente devido a cortes realizados pela indústria madeireira, assim como para a obtenção de solo para cultivos agrícolas. Mas também há outras agressões, como a chuva ácida que compromete a sobrevivência das florestas e que pode ser controlada através da cobrança de requisitos de qualidade para os combustíveis, como a limitação do conteúdo de enxofre, e que é um problema típico dos paises desenvolvidos. Nos países menos desenvolvidos, as massas florestais são reduzidas ano após ano, enquanto que nos países industrializados acontece uma recuperação devido a pressões sociais, tornado os bosques em atrativos turísticos e lugares de diversão. Contudo, as plantações de reflorestamento não substituem em nenhum caso o bosque, já que este é um ecossistema que leva décadas e em alguns casos séculos para se formar. O reflorestamento é, no melhor dos casos, um conjunto de árvores situadas segundo uma separação definida artificialmente, entre as quais surge uma vegetação herbácea ou arbustiva que não costuma parecer na floresta natural. No pior dos casos, se plantam árvores não nativas e que em certas ocasiões danificam o substrato, como ocorre em muitas plantações de pinheiro ou eucalipto. Uma conseqüência do desmatamento é o desaparecimento de absorventes de dióxido de carbono, reduzindo-se a capacidade do meio ambiente em absorver as enormes quantidades deste causador do efeito estufa, e agravando o problema do aquecimento global. Para tentar conter o avanço do aquecimento global diversos organismos internacionais propõem o reflorestamento, porém essa medida é apenas parcialmente aceita pelos ecologistas, pois estes acreditam que a recuperação da área desmatada não pode apenas levar em conta apenas à eliminação do gás carbônico, mas também a biodiversidade de toda a região.

floresta amazonica

                  Floresta Amazônica

300px-river_in_the_amazon_rainforest.jpg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Ir para: navegação, pesquisa

Igarapé da bacia Amazônica, no Brasil.

Igarapé da bacia Amazônica, no Brasil.

A Floresta Amazônica é a floresta equatorial que forma a maior parte da Amazônia. É uma das três grandes florestas tropicais do mundo. A hiléia amazônica (como a definiu Alexander von Humboldt)

possui a aparência, vista de cima, de uma camada contínua de copas, situadas a aproximadamente 50 metros do solo.

A maioria de seus sete milhões de km² é constituída por floresta que nunca é alagada, em uma planície de 130 a 200 metros de altitude, formada por sedimentos do lago Belterra, que ocupou a bacia Amazônica entre 1,8 milhões a 25 mil anos atrás. Ao tempo em que os Andes se erguiam, os rios cavaram seu leito, o que originaria os três tipos de floresta da Amazônia. As duas últimas formam a Amazônia brasileira:

  • Florestas montanhosas andinas
  • Florestas de terra firme
  • Florestas fluviais alagadas

No Pleistoceno o clima da Amazônia variou entre frio-seco, quente-úmido e quente-seco. Na última fase frio-seca, há cerca de 18 ou 12 mil anos, o clima da Amazônia era semi-árido, e o máximo de umidade ocorreu há sete mil anos. Na fase semi-árida predominaram as formaçòes vegetais abertas, como cerrado e caatinga, com “refúgios” onde sobrevivia a floresta. Atualmente o cerrado sobrevivem em refúgios dentro da mata.

O solo amazônico é bastante pobre, contendo apenas uma fina camada de nutrientes. Apesar disso, a flora e fauna mantêm-se, em virtude do estado de equilíbrio (clímax) atingido pelo ecossistema. O aproveitamento de recursos é ótimo, havendo o mínimo de perdas. Um exemplo claro disso está na distribuição acentuada de micorrizas pelo solo, que garantem às raízes uma absorção rápida dos nutrientes que escorrem a partir da floresta, com as chuvas. Também forma-se no solo uma camada de decomposição de folhas, galhos e animais mortos, que rapidamente são convertidos em nutrientes e aproveitados antes da lixiviação.

Abaixo de uma camada inferior, a um metro, o solo passa a ser arenoso e com poucos nutrientes. Por isso e por conta da disponibilidade quase ilimitada de água, as raízes das árvores são curtas, e o processo de sustentação é feito também com base na escora das árvores umas nas outras.

A dificuldade para a entrada de luz pela abundância de copas, faz com que a vegetação rasteira seja muito escassa na Amazônia, bem como os animais que habitam o solo e precisam dessa vegetação rasteira. A maior parte da fauna amazônica é composta de animais que habitam as copas das árvores, entre 30 e 50 metros. Não existem animais de grande porte, como nas savanas. Entre as aves da copa estão os papagaios, tucanos e pica-paus. Entre os mamíferos estão os morcegos, roedores, macacos e marsupiais.

A fauna e flora amazônicas foram descritas no impressionante Flora Brasiliensis (40 volumes), de Carl von Martius, naturalista austríaco que dedicou boa parte de sua vida à pesquisa da Amazônia, no século XIX. A diversidade de espécies, porém, e a dificuldade de acesso às altas copas, faz com que grande parte da fauna ainda seja desconhecida.

Os grandes rios separam as espécies de mamíferos e aves. As matas alagadas estão localizadas nas proximidades dos rios, e têm características diferentes da mata de terra firme. O clima na floresta Amazônica é equatorial, pois fica bem perto da linha do equador e ela é contínua com a Mata Atlântica. Hoje em dia a Amazônia vem sendo devastada para a plantação de soja e dar lugar a pastos